CEBRI - Brasil-China Pós Covid-19: Pesquisa Científica e Biotecnologia

Version EnglishENGLISH VERSION

Brasil-China Pós Covid-19: Pesquisa Científica e Biotecnologia

14/01/2021

Introdução


O webinar “Brasil-China Pós Covid-19: Pesquisa Científica e Biotecnologia”, realizado em 14 de agosto de 2020, foi o primeiro de um ciclo de três eventos organizados pelo CEBRI com o patrocínio da Embaixada da China sob o intuito de suscitar novos temas para ampliar a cooperação bilateral.

O tema pesquisa científica e biotecnologia - que consiste na junção de ciências biológicas com tecnologias modernas de forma a gerar novos produtos e serviços, incluindo as vacinas - ganhou particular relevância nos últimos tempos por ser central para superar os desafios que a pandemia vem impondo a todos os países.

Neste contexto, o evento buscou mostrar o estado da arte das iniciativas de cooperação entre instituições científicas brasileiras - como a Fiocruz e a Academia Brasileira de Ciências - e suas contrapartes chinesas, assim como apresentar um panorama sobre as pesquisas da vacina da Covid-19 e suas perspectivas futuras. Carlos Morel, que é Coordenador do Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde (CDTS) da Fiocruz, e Luiz Davidovich, presidente da Academia Brasileira de Ciências, falaram sobre as parcerias de suas respectivas instituições com instituições chinesas, enquanto Yuntao Zhang, que é Vice-Presidente P&D e Cooperação Internacional da China National Biotec Group Company Limited (CNBG), apresentou o panorama sobre a vacina da Covid-19.

Segundo Qu Yuhui, Ministro Conselheiro da Embaixada da China no Brasil, a China hoje já é a segunda maior indústria farmacêutica do mundo e este setor de biotecnologia deve receber um destaque no próximo plano quinquenal (2021-2025). As perspectivas de colaboração com o Brasil, que tem a maior indústria farmacêutica da América Latina, são promissoras. Atualmente, já há ações de cooperação, como a estabelecida entre o Instituto Butantan e a empresa chinesa Sinovac Life Science, para a pesquisa da vacina da Covid-19. O grupo farmacêutico Sinopharm, neste evento representado por Yuntao Zhang, também busca estabelecer parcerias no Brasil para a vacina que está desenvolvendo.

Questões Orientadoras

Em um mundo cada vez mais integrado tecnologicamente, de que forma as instituições brasileiras podem se beneficiar de uma parceria com a China nas áreas de pesquisa científica e biotecnologia? Como essa cooperação pode ser implementada?

Como o intercâmbio científico-tecnológico entre grandes instituições sino-brasileiras pode influenciar a parceria bilateral em outras esferas de atuação?

Quais as perspectivas para o desenvolvimento de uma vacina para a Covid-19? Como a coordenação multilateral para a criação da vacina pode influenciar novas pesquisas científicas no futuro?

Leia a versão na íntegra: aqui

 



Centro Brasileiro de Relações Internacionais